TEODORO LAUSI SACCO

TEODORO LAUSI SACCO 2Nascido em Avanhandava-SP, aos 08 de fevereiro de 1933, filho de Armando Sacco, imigrante italiano, e Justina Lausi Sacco, brasileira, de São Paulo, capital. Primeiro de três filhos, irmão de Agostinho Lausi Sacco e de Sergio Sacco, permaneceu em Avanhandava até 12 anos de idade.

A família mudou-se para São Paulo em 1945 indo residir na Vila Pompéia, bairro próximo ao Parque Antártica, estádio da Sociedade Esportiva Palmeiras (antigo Palestra Itália), onde residiam as outras irmãs de D. Justina: Ercília Lausi,  Tomazina Lausi, Edwiges Lausi, Raquel Lausi e Lucia Lausi.

Aprendeu a ler, escrever e resolver aritmética com seu pai, Sr. Armando. Em São Paulo, no Colégio Caetano de Campos, completou os 1º e 2º graus. Iniciou o curso superior de Química Industrial, não o completando, já que o que sonhava mesmo era cursar Medicina, o que não lhe foi possível.

Em 1954, devido a problemas de saúde, com o fígado lhe causando enormes indisposições, sem medicamentos que lhe proporcionassem resultados positivos, e através de sua tia Raquel, irmã da mãe, foi encaminhado pela primeira vez para a FEESP- Federação Espírita do Estado de São Paulo em busca de tratamento alternativo.

Depois dos primeiros atendimentos o mal-estar foi desaparecendo, permitindo a que o grande trabalhador da doutrina não saísse mais da Casa Grande do espiritismo em São Paulo, onde permaneceu trabalhando incansavelmente até a véspera de sua desencarnação, ocorrida aos 4 de junho de 1995.

Teodoro interessou-se sobremaneira pela doutrina e iniciou os cursos de Aprendizes do Evangelho, sendo ele aluno da 7ª. Turma de Aprendizes, turma esta dirigida pelo venerável comandante Edgard Armond.

Ainda como aluno, começou a participar de tarefas múltiplas que a FEESP vinha desenvolvendo. Como jovem líder que era, onde fosse participar de alguma tarefa, com grande facilidade arregimentava uma infinidade de companheiros, unidos pelos mesmos ideais. Com os colegas da 7ª Turma formou um grupo de trabalhadores que aos domingos, uniam-se para visitar os leprosários, os indigentes nos hospitais, os velhos nos asilos ou companheiros de luta que estivessem adoentados. Não deixavam de fazer o Evangelho onde quer que o grupo fosse, buscando levar o amor solidário para os momentos difíceis.

Estava no seu terceiro ano de estudo da 7ª Turma, quando um belo dia o comandante Armond, inquire na classe, quem eram os alunos que se apresentavam como membros da Federação, indo nos lares ou instituições fazendo Evangelho.

Apresentou-se Teodoro, bastante temeroso, pois o Comandante era muito austero. Responde que ele e mais um grupo de sete, oito pessoas da classe. O Comandante pediu-lhes que fosse conversar com ele depois da aula.

Todos os componentes do grupo, muito receosos, foram após o término da aula falar com o inesquecível Edgard Armond. Este os inquiriu sobre que trabalho era e como eles o desenvolviam, pois que se apresentavam como alunos da FEESP.

Ao receber as informações e perceber que em nada estavam desabonando o bom nome da entidade, parabenizou-os e solicitou que sempre agissem assim, com discrição, humildade e sem interesses outros que não fossem o de divulgar e vivenciar a doutrina espírita.

Após pouco tempo, Armond criava o Departamento do Evangelho no Lar, para levar esclarecimento a todos aqueles que quisessem ter esta prática salutar implantada em seu lar. Desse grupo faziam parte D. Gina, Maria José Viana, Cidinha Garbatti, Agostinho Lausi Sacco, Benedita Pinto (Benê), Sr. Silva, Nelson Simphronio e Ruth, todos grandes trabalhadores da Casa.

Em 1960 foi fundada a Casa Transitória, obra que contou com a participação do pequeno grupo de Teodoro desde a confecção dos primeiros tijolos de adobe cuja matéria prima utilizada era o barro do próprio local.

Trabalhou arduamente nas campanhas para arrecadação de fundos para a realização desse sonho do Sr. José Gonçalves Pereira, durante 14 anos consecutivos, trabalhando diariamente nos fundos da Casa Transitória, formando uma horta, desenvolvendo a criação de cabras, depois coelhos, a fim de fornecer leite e carne para atender as necessidades de doentes vitimados pela tuberculose e das famílias assistidas pela Casa Transitória.

Plantava cana para fazer tachos e mais tachos de melado e rapadura, também para fortalecer os desnutridos assistidos. Desde a formação da Campanha Auta de Souza, participou como caravaneiro, aos domingos, sendo durante muitos anos líder do “Grupo 7”. Sua liderança era tanta que chegou a arregimentar cerca de 35 participantes para o grupo que precisou ser desmembrado, além de conseguir novos voluntários também para as outras equipes de trabalhadores.

Durante 12 anos, duas vezes por semana, trabalhou no DEPOE – Departamento de Orientação e Encaminhamento, como plantonista.

TEODORO LAUSI SACCO 1Foi expositor do Curso Elementar, atualmente o 1º Mediúnico, durante 17 anos consecutivos. Foi Diretor do Departamento do Livro, atual área da Divulgação. Foram com ele que ocorreram as primeiras exposições do Livro Espírita na cidade de São Paulo e em outros estados, sendo a primeira realizada na Galeria Prestes Maia. Este evento teve enorme repercussão no movimento espirita de São Paulo já que foi um grande sucesso. Durante muitos anos as exposições ocorrerram, chegando a expor em Buenos Aires, na Argentina. Foi durante seu período de diretor do departamento do livro que iniciou-se as Edições Feesp, para baratear o livro para alunos e assistidos.

Após o término dos cursos da Casa, foi convidado a participar do Conselho Deliberativo como suplente do cargo de Conselheiro.  Após um ano, na primeira vaga de Conselheiro, ele foi nomeado, permanecendo no CD até a sua desencarnação.

Em 1979, passou a ocupar o cargo de diretor da Área de Assistência Espiritual, função esta que dirigiu durante seis anos, quando foi eleito presidente em 1985. Durante este período que dirigiu esta área, foram triplicados os trabalhos espirituais, pois a assistência espiritual não atuava em todos os horários. Durante esses 6 anos, a Assistência Espiritual passou a dar atendimento no DEPOE e DEPASSE desde as 8 horas até as 19 horas de segunda a sábado.

Na Federação crescia rapidamente  os trabalhos de atendimento espiritual.

Embora o exponencial aumento dos alunos o espaço na Rua Santo Amaro/Japurá, era muito restrito. O presidente da época, João Batista Laurito, idealizava a construção de uma sede maior na Rua Maria Paula, porém, não haviam recursos para um empreendimento tão grande, embora ele movimentasse toda uma equipe de engenharia, a Alarcon, para elaborar projetos arquitetônico e engenharia de cálculos. Quando Teodoro assumiu, como presidente, o ex-diretor da área de Assistência Espiritual, sentia na pele a necessidade de ampliar os espaços da FEESP. Uma das primordiais realizações foi iniciar a campanha para construir uma nova sede na propriedade primária, à Rua Maria Paula.

Logo em seu primeiro ano de mandato foi lançada a pedra fundamental da construção da sede nova. Embora não houvessem recursos, ele dizia ser este empreendimento de extrema urgência, e o plano espiritual iria encaminhar recursos para a realização do mesmo.

No dia de lançamento da pedra fundamental ocorreu um fato muito marcante na vida de Teodoro. A equipe de engenharia que estivera presente no ato solene da pedra fundamental perguntou a Teodoro quanto ele tinha em caixa para iniciar a obra. Ele responde que a FEESP não tinha recurso algum, o caixa estava a zero, mas ele confiava no plano superior, na equipe de Bezerra de Menezes, na urgência da obra para o conforto, alivio e libertação dos desesperançados. Tinha certeza que os recursos viriam.

O engenheiro sorriu meio desconfiado da sanidade de Teodoro. No dia seguinte um grande colaborador da FEESP, benemérito inigualável no movimento espírita, vai à sala da diretoria e entrega um envelope a Teodoro dizendo para não divulgar seu nome. Dentro um cheque de CRZ$ 1.000,00 (Hum mil cruzados) na época equivalente a Cr$ 1.000.000,00 (hum milhão de cruzeiros). Teodoro chorou, sentindo que a sua fé e rogativa ao plano maior recebia a resposta. Foi o inicio da realização de seu grande sonho e ideal.

Durante o período em que foi Presidente, graças a outro benemérito, Sr. Mateus Augusto Anjos da Silva, que fez doação de diversos apartamentos para que anualmente servissem de rifa na arrecadação de fundos para levantar a obra, o que permitiu rapidamente se concretizar a construção dos 14 pisos que se constituem o prédio da Rua Maria Paula. Quando da desencarnação de Teodoro o prédio estava com seu esqueleto completo, estando já em uso, sub-solo, térreo com salão nobre e mezzanino com lanchonete  e com o  1º e 2º andares em plena atividade.

Muito se realizou paralelamente, sendo criados inúmeros novos trabalhos, que só vieram abrilhantar mais a Instituição. Dentre eles podemos mencionar o estudo esquematizado em apostilas da área de ensino, renovando-lhes os métodos e tornando-os mais didáticos. Reativou a Fazenda Seara, tornando-a mais um ponto de assistência social, criando três lares de abrigo para crianças abandonadas: “Lar Gota de Amor”.

Dinamizou as Edições FEESP, com mais de cem títulos editados. Promoveu três congressos em níveis estaduais, nacionais e Internacionais. Instituiu o Telefeesp. Iniciou o trabalho da pintura mediúnica, criou um novo tipo de atendimento de lanchonete, tornando-a mais uma fonte de captação de rendimentos para a manutenção da Casa.

De sua vida particular podemos dizer que em 1971, conheceu Ombretta Gori Sacco, sua aluna no Curso Elementar, iniciando uma grande afinidade no desenvolvimento de trabalhos assistenciais e espirituais, pois ela já era voluntaria na Casa Transitória, como líder de grupos de visitadores das famílias cadastradas na CT e auxiliar na portaria do companheiro Júlio Coroa, todos os sábados.

Ingressando no grupo 7 da Campanha Auta de Souza, aumentou a afinidade  que resultaria no casamento aos 24 de março de 1973. Dessa união matrimonial nasceram quatro filhos: Sandra Regina, Flávia Carla, Paulo Roberto e Ricardo Eduardo.

Quando se casaram, Teodoro desenvolvia 17 trabalhos semanais, entre a Casa Transitória, a FEESP e as visitas. Tarefas estas que continuaram até a sua eleição de Presidente, quando suas tarefas foram substituídas por responsabilidades novas arcadas durante 9 anos, até novembro de 1994, quando por determinação estatutária foi eleito vice-presidente até seu desencarne.

Teodoro muito sonhou, idealizou e realizou. No entanto, este grandioso trabalho não foi realizado sozinho, pois ao lado dele, uma grande equipe de companheiros afins, esposaram a causa para o engrandecimento da Casa. Seu entusiasmo e sua alegria em falar com todos, e a todos receber sempre com um grande sorriso, deixou a enorme lacuna nos corações, não somente dos familiares mas de todos os que com ele conviveram.

Hoje em inúmeras ocasiões em reuniões de trabalho ou idealizações de novas tarefas o seu nome e exemplo são mencionados, como vanguardeiro de ideais avantajados no que se refere aos destinos da nossa Casa Grande. Do resto, ficaram somente, lindos exemplos, belas recordações e muitas, muitas saudades.

Ombretta Gori Sacco, 02/1996.
Transcrito do informativo “Notícias do Movimento Espírita” de 08/02/2016.

RECEBA O JORNAL GRÁTIS

Digite seu e-mail para receber as novas publicações do J.E.U. por e-mail.

%d blogueiros gostam disto: