PREVENÇÃO AO SUICÍDIO, TAREFA INADIÁVEL

Por Gerson Simões Monteiro

prevencao-ao-suicidio-tarefa-inadiavel-1

Os séculos de civilização, de ética e cultura não conseguiram fazer que o instinto de auto destruição ( … ) fosse dominado pela análise fria e nobre da razão. Pelo contrário: parece que nas nações chamadas supercivilizadas, pelo abuso das faculdades que revestem o ser, o homem atira-se cada vez mais opiado no sorve­douro da autodestruição, consumido pelos excessos de todo porte, ensoberbecido pela técnica e amolentado pela comodidade perniciosa.” Este pensamento do Espírito Victor Hugo, psicografado pelo médium Divaldo Pereira Franco no livro Párias em Redenção 1, completa-se ainda com a seguinte ideia:

“Se anteriormente a forca anunciava a presença de civilização nu­ma cidade, o alto índice de suicídios num povo, atualmente, revela a sua elevada cultura. Cultura, no entanto, pervertida, sem Deus nem amor, sem vida nem sentimento.( … )”

Tais colocações revestem-se de crua atualidade; senão vejamos os índices do recém-lançado “MAPA DA VIOLÊNCIA IV”, da Unesco, contemplando o período entre 1993 e 2002. O mapa demonstra que os suicídios no Brasil passaram de 5.553 em 1993 para 7.715 em 2002, representando um aumento de 38,9%. No mesmo período, o aumento é bem superior ao registrado em óbitos por acidentes de transporte (19,5%), mas ainda está abaixo dos homicídios (62,3%).

Entre os adolescentes e jovens de 15 a 24 anos, o aumento foi menor (30,8%), passando de 1.252 para 1.637 suicídios entre 1993 e 2002. As situações por estado são bem diferenciadas: no Amapá, Maranhão e Paraíba, por exemplo, o número de suicídios de jovens quadruplicou. Já em Estados como São Paulo, Paraná e Distrito Federal, registrou-se a queda dos índices.

Relativizando os dados segundo o tamanho da população, verifica-se que a taxa do País no ano de 1993 foi de 3,7 suicídios para cada 100 mil habitantes. Com oscilações, ela foi crescendo lentamente para, em 2002, apresentar-se em 4,4 suicídios por 100 mil habitantes.

Em 2002, a maior concentração de suicídios encontrou-se nos Estados da Região Sul, especialmente no Rio Grande do Sul (9,9 suicídios por 100 mil habitantes). Mas outros Estados também apresentaram taxas elevadas, acima de 6 suicídios em 100 mil habitantes, como Santa Catarina (7,8), Mato Grosso do Sul (7,8) e Amapá (6,8).

Entre as muitas causas que estão levando as pessoas a cometerem o suicídio, a depressão é apontada como a principal delas, segundo avaliação da Organização Mundial de Saúde (OMS). O portador de uma dor física tem um profissional para atendê-lo, mas, e o de transtornos psicológicos, a quem procurar? Onde buscar ajuda?

Neste particular, o Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza um relevante serviço em favor dos suicidas potenciais através do atendimento telefônico, praticamente sem recursos governamentais. A partir do momento em que um ser humano se coloca em disponibilidade para ouvir com compaixão o desabafo de outra pessoa, pode-se dizer que começou o trabalho de prevenção ao suicídio.

Os Centros Espíritas também realizam um trabalho de ajuda fundamental por meio do Atendimento Fraterno2, não só aos deprimidos, mas também às pessoas que precisam de assistência espiritual. De um modo geral, permite-se o contato direto e possibilita-se o desabafo de quem esteja pensando em abandonar a vida pelo autoextermínio. Por outro lado, as reuniões de desobsessão2 são de suma importância para ajudar aqueles que pensam em suicidar-se, através da moralização do Espírito inimigo responsável pela sugestão infeliz de desistir da vida.

Um estudo feito com 153 pessoas pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças, nos Estados Unidos, expôs de perto a elas histórias de suicídio, numa visão oposta ao pensamento comum de que um suicídio incentiva outro. Pelo contrário, segundo a conclusão desse estudo, ter conhecido alguém que se suicidou ou ouvir relatos de suicídios reduz as chances de uma nova tragédia acontecer. No site da instituição, os responsáveis pela pesquisa esclarecem que os meios de comunicação devem desempenhar um papel fundamental nos esforços para educar o público na prevenção do suicídio.

Neste sentido, o Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira, ao lançar a Campanha Em defesa da Vida, vem cumprindo a importante tarefa de combater o suicídio ao elaborar cartazes e literatura de apoio, bem como sugerindo ao Movimento Espírita que o assunto seja abordado em programas de rádio, televisão, vídeo, Internet ou qualquer outro meio de comunicação, sempre de forma preventiva.

É importante ressaltar que a Doutrina Espírita tem uma grande contribuição para ajudar a pessoa aflita e desesperada no momento em que pensa desertar da vida pela porta falsa do suicídio. Ela demonstra que a alma continua a viver além da morte, e explica as causas dos sofrimentos, mostrando que eles, suportados com resignação neste mundo, transformar-se-ão em luzes para a sua alma ao reingressar nas esferas espirituais. O Espiritismo demonstra também que o suicida sofre terrivelmente, no mundo dos Espíritos, as consequências do seu gesto de rebeldia contra as Leis do Criador, expiando o mal cometido contra si mesmo em nova reencarnação, a fim de harmonizar-se com a Lei do Progresso que visa à sua evolução para a perfeição espiritual.

Referências Bibliográficas:

1 FRANCO. Divaldo P. Párias em Redenção, pelo Espírito Victor Hugo. 3. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1971,Segundo Livro, cap. I, p.174.

2  FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA –Conselho Federativo Nacional. Orientação ao Centro Espírita. 3. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1988. p. 67.

O Suicídio

prevencao-ao-suicidio-tarefa-inadiavel-2A incredulidade, a simples dúvida sobre o futuro, as ideias materialistas, numa palavra, são os maiores incitantes ao suicídio; ocasionam a covardia moral. Quando homens de ciência, apoiados na autoridade do seu saber, se esforçam por provar aos que os ouvem ou leem que estes nada têm a esperar depois da morte, não estão de fato levando-os a deduzir que, se são desgraçados, coisa melhor não lhes resta senão se matarem? Que lhes poderiam dizer para desviá-los dessa consequência? Que compensação lhes podem oferecer? Que esperança lhes podem dar? Nenhuma, a não ser o nada. Daí se deve concluir que, se o nada é o único remédio heroico, a única perspectiva, mais vale buscá-lo imediatamente e não mais tarde, para sofrer por menos tempo.

A propagação das doutrinas materialistas é, pois, o veneno que inocula a ideia do suicídio na maioria dos que se suicidam, e os que se constituem apóstolos de semelhantes doutrinas assumem tremenda responsabilidade. Com o Espiritismo, tornada impossível a dúvida, mu­da o aspecto da vida. O crente sabe que a existência se prolonga indefinidamente para lá do túmulo, mas em condições muito diversas; donde a paciência e a resignação que o afastam muito naturalmente de pensar no suicídio; donde, em suma, a coragem moral.

Allan Kardec

Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo. 2. ed. especial. Rio de Janeiro: FEB, 2004, cap. V; item 16, p. 131-132.

Fonte: revista Reformador, da FEB, de novembro de 2004

Transcrito do site: http://fems.org.br/Registro.aspx?id=20140708121455&Tipo=artigos

RECEBA O JORNAL GRÁTIS

Digite seu e-mail para receber as novas publicações do J.E.U. por e-mail.

%d blogueiros gostam disto: