A ADOLESCÊNCIA E SEUS DESAFIOS

De repente surge uma intensidade de emoções, sentimentos e pensamentos novos, impulsionados por uma revolução hormonal e mudanças corporais que se sucedem. E aquele ser, que há pouco tempo era uma criança, já não sabe muito bem como agir com sua nova estrutura física e psicológica. Utilizando-se de uma imagem simbólica muito propícia, o psicólogo norte-americano Thomas Ar­mstrong1 diz que “pelo menos desde o período entre 12 e 20 anos, o cérebro do adolescente médio está pisando fundo no acelerador emocional enquanto os freios ainda não foram completamente instalados”.

Etapa fundamental para estruturação da identidade, a adolescência é muitas vezes tratada como um período de crise, e por isso mesmo é importante que essa transição seja apoiada por pais e educadores, que possuem o desafio de auxiliar o jovem a tornar-se responsável pela própria jornada, conquistando autonomia. É significativo constatar que as tribos antigas mantinham ritos de passagem para os jovens, muitos deles dolorosos e até mesmo cruéis em certo sentido, mas que possuíam um importante papel psicológico: possibilitar a “morte” da velha estrutura, para que uma nova pudesse surgir. Certamente não será necessário resgatar os costumes tribais, mas atualizar, a partir das conquistas educacionais e psicológicas, os ensinamentos que devem ser transmitidos aos jovens, preparando-os para os desafios a serem enfrentados.

Em sua análise psicológica, Joanna de Ângelis resume os desafios da adolescência da seguinte forma: “… surgimento da afetividade, do interesse sexual e dos conflitos na área do comportamento, como insegurança, ansiedade, timidez, instabilidade, angústia, facultando o espaço para desenvolvimento e definição da personalidade, aparecimento das tendências e vocações”.2 E na condição de pais temos que nos questionar: esses aspectos se encontram resolvidos ou pelo menos harmonizados em nós? Isso porque é muito difícil lidar com o conflito dos filhos quando temos os nossos próprios conflitos não solucionados; é difícil lidar com a “rebeldia” e questionamento do jovem, especialmente se não faço em meu mundo as revoluções necessárias, e também quando me fecho em “meu mundo”, acreditando que o do jovem é completamente equivocado. Pior ainda quando nos fechamos ao diálogo, e rotulamos o jovem de difícil, sem termos olhos para nossas próprias dificuldades.

Além dos vários aspectos intrínsecos à adolescência, as profundas transformações na forma de se comunicar dos últimos tempos exige por parte dos pais um esforço extra para que possam compreender a linguagem dos jovens, e desta forma dialogar e estimular o desenvolvimento rumo à autonomia, diminuindo as distâncias que às vezes levam a problemas sérios, que podem comprometer a vida do jovem de forma significativa, como a drogadição, a paternidade/maternidade precoce e sem preparos, dentre outros problemas graves que podem surgir.

Por conta disso, certamente não pode ser esquecido o olhar espiritual da vida. Quanto mais o jovem vivenciar um ambiente de religiosidade, que seja compatível com os exemplos que recebe, mais terá subsídios para lidar com a dinâmica da vida, e fazer a sua descober­ta pessoal, mesmo que futuramente. E se decidir não fazer opção religiosa, que conduza consigo a base ética/moral, porquanto essa é capaz de formar cidadãos de bem.

O mundo passa por uma intensa revolução, sendo para o jovem de duplo aspecto: a sua pessoal e a coletiva. Por isso, não devemos envidar esforços para auxiliar o adolescente em sua transição, porquanto isso garantirá adultos capazes de enfrentar os desafios exigidos para a era de uma nova consciência. Fora isso, vale recordar que um dia também passamos pela adolescência!

1 Armstrong, Thomas. Odisseia do Desenvolvimento Humano. Artmed.

2 Angelis, Joanna de; Franco, Divaldo. Adolescência e Vida. Editora Leal

Cláudio Sinoti

Transcrito do link:

http://www.correioespirita.org.br/categoria-de-materias/filosofia-e-espiritismo-correio-espirita/1876-a-adolescencia-e-seus-desafios

RECEBA O JORNAL GRÁTIS

Digite seu e-mail para receber as novas publicações do J.E.U. por e-mail.

%d blogueiros gostam disto: